Skip to content

Dreads de todos os tipos

fevereiro 27, 2011

 

 

 A palavra  dreadlocks significa cachos do medo.  Seu uso relaciona-se com o movimento rastafári e o reggae, porém sua origem é tão antiga que é impossível precisar a data em que começaram a ser utilizados. Os cabelos ficavam longos e eram difíceis de cortar, então por praticidade, para diminuir seu volume e domá-los eram enroscados de forma cilíndrica. O movimento Ras Tafari tem origem africana, baseia-se em uma profecia feita por Marcus Garvey na Jamaica.  O movimento Ras Tafari foi duramente perseguido na Jamaica, tanto cultural quanto espiritualmente. O dread então era mais que estética, era uma forma de resistência do Ras Tafari. Ras significa “cabeça”,  “príncipe” e tafari significa “sem medo”, daí podemos notar que o nome dread possui relação com o termo rastafári.

 

 

Dread indiano e os  propagadores da religião rastafári: Marcus Garvey e Bob Marley

 

 

 

 

Muitas pessoas ainda possuem um enorme preconceito com o dread, totalmente infundado. Pessoalmente eu acho bonito o dread em todos os tipos étnicos, tanto em homens quanto mulheres. Para os góticos, o uso do dread relaciona-se com o “Modern Primitive” (http://alienagratia.wordpress.com/2010/12/22/daron-malakian-apreciador-do-modern-primitive/), está presente principalmente no new metal e metal industrial, mas também é usado por outras vertentes do rock. Há também o dread falls, cyber falls e cyberlox,  apliques sintéticos que são alternativas para quem não quer cultivar os dreads utilizando o próprio cabelo.  O cyberlox é feito de crinolina tubular (tubular crin) , podendo ter diversos outros tipos de materiais embutidos para dar um efeito colorido e luminoso (muitos tem efeito fluorescente, brilham no escuro).   No cyber falls é utilizado material tubular, como fios, cabos, tubos e outros elementos cyber. O dread falls  é feito com cabelo sintético ou lã.  Ao contrário dos dreads feitos com o próprio cabelo, a colocação dos dread falls, cyber falls e cyberlox é rápida, não exige que você raspe seu cabelo quando quiser tirá-lo e também é leve e durável.  Você pode obter diversos efeitos através de um cyberlox, dread falls ou cyber falls. Na internet existem vários tutoriais de como fazer seu próprio dread falls com uso da lã e lojas virtuais que vendem prontos  todos os dreads acima citados.

 

 

Alguns cyberlox, cybers falls e dread falls

 

 

 

 

 

 O dread original é feito com o próprio cabelo e só sai cortando na maioria dos casos).  Há o método tradicional, em que é recomendado ter cabelos afro bem crespos, típico do negro africano ou então os dreads não manterão sua forma.  Evitar lavar o cabelo com shampoo ou qualquer outra coisa que alise os cabelo e a medida que crescem ir enrolando com a palma das mãos. Essa é a forma que os rastafári fazem dreads e não é recomendada, pois os cabelos ficam difíceis de lavar e com aspecto de sujos.   Há também o método com cera, funciona em diversos tipos de cabelo. O cabelo deve ser de médio à comprido, de preferência comprido. Os cabelos são divididos em setores de 2 cm, penteando com pente de ferro da raiz às pontas com objetivo de embolalos. Posteriormente aplica-se cera de abelha para fixá-los. A manutenção com cera deve ser frequente com objetivo de não perder os dreads.  O processo com agulha é o mais dolorido, mas resulta em dreads mais bonitos, compactos e limpos.  O processo da divisão do cabelo e fixação é o mesmo do dread com cera.  Posteriormente costura-se o dread com uma agulha de crochê.  A manutenção deve ser frequente, recosturando os dreads quando soltam, enrolando os fios com a palma das mãos e finalizando com cera.  Os bons resultado para todos os métodos são definidos através da manutenção que deve ser frequente. Não pense que é uma saída prática, pois não é!   É recomendado lavar os cabelos com shampoo anti-resíduos ou sabão de coco e secá-los ao sol ou com secador. Sempre secá-los completamente, não dormir nunca com o cabelo molhado, sob o risco de provocar fungos e mal cheiro.  Mantendo a higiene e a manutenção frequentes, os dreads ficarão lindos.

 

 

Dreads de Al Jourgensen (Ministry), fã de industrial desconhecido (dread verde), Linde (HIM), Rob Zombie, gêmeos de Matrix Reloaded, Havard Ellefsen (Mortiis), Jonathan Davis (Korn), Derrick Green (Sepultura) e Living Colour

 

 

 

 

Mulheres famosas como a ativista (adoro) Angela Davis, atrizes como Angelina Jolie e Ana Paula Tabalipa, cantoras como Lauryn Hill e Shakira e mulheres  de todos os tipos usam dreads

 

 

 

 

 Switchblade Symphony, para provar que o dread pode ser muito gótico:

 

 

 

 

 

About these ads
14 Comentários leave one →
  1. março 2, 2011 12:34 am

    Qualquer coisa, confira logo no link abaixo:

    http://antropologiamacabra.blogspot.com/2011/03/selo-de-qualidade.html

    Beijos.

  2. março 3, 2011 9:11 am

    Ótimo o post Helena! :)
    Eu não sou muit fã dos dreads naturais, dependendo da pessoa acho que fica lindo, mas dependendo nem tanto, mas acho muito bonito os cyberlox. Por serem mais coloridos e tal.

    Já tive vontade de fazer uma vez, mas hoje nem tanto hehe
    Beijos

    • março 4, 2011 12:13 am

      Obrigada! Eu adoro dreads e confesso que há pouco tempo atrás estava querendo muito fazer os naturais, porque não tenho paciência com os dread falls e cores no cabelo. A vontade passou justamente por ser muito radical, imagina ter que cortar para tirar?! Mas vontade dá e passa né…mas para quem gosta e assume o estilo é muito bonito. Acho que você combinaria com cyberlox, mas prefiro te ver ruiva e sem dreads. Beijos!

  3. março 6, 2011 9:13 pm

    Bem legal a postagem! Não sou fã de dreads para mim, mas acho legal em outras pessoas! Tem uns rockeiros que super combinam.
    Eu tenho vontade de usar aqueles de lã ou os cyber em uma sessão de fotos.
    bjinhos

  4. novembro 16, 2012 4:27 pm

    obrigada pelas dias fiquei mais segura para por os deads.

  5. SARA permalink
    julho 27, 2013 12:06 am

    Estou louca para por dread .. Mais so vou por 4 embaixo , pois nao tenho coragem de por no cablo inteiro , e não acho muito bonito para meninas , Gostaria de saber se eu fazer dread , quero fazer 4 embaixo ,, eles vai ficar do comprimento do meu cabelo né? que é na cintura , e pra lavar somente os 4 como eu faço pf me responda *-*

    • julho 31, 2013 7:50 pm

      Sara, você tem que assumir que o dread é bonito para meninas ou então é melhor nem fazer, já que está insegura. Se o seu cabelo é liso, não vai dar a diferença no seu cabelo natural e o com dreads. Mas se for cacheado ou ondulado, vai dar diferença no comprimento sim. E o cabelo natural (quando você lavar) vai secar mais rápido que o dread. Você vai ter que ter o trabalho de separar para lavar, prender o dread com uma touca plástica (não pode ser lavado todos os dias). Se você tem o hábito de esperar um pouco, uns três dias para lavar a cabeça você pode lavar tudo junto. Mas se lava todo dia, não é a melhor opção. Espero que eu tenha ajudado! :) Boa sorte com os dreads.

  6. Marina permalink
    julho 27, 2013 1:26 pm

    Ooi eu tenho o cabelo liso e pelo queixo eu gostaria de fazer sera que vai ficar bonito?

    • julho 31, 2013 7:41 pm

      Marina, essa decisão é sua. Cabelo liso é mais difícil de fazer dread e manter. Se pergunte se vai valer a pena o trabalho, se vai combinar com suas roupas, estilo de vida e ideologia. Quanto à beleza, acho que vai ficar bonito sim. :)

  7. agosto 5, 2013 11:00 pm

    Sara e Marina, essa moça tem dreads e é feminina e bonita:

  8. dezembro 13, 2013 3:03 am

    ba estou indo fazer os meus amanha e muito obrigado por esclarecer algumas coisas que eu estava em duvida

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

vamosparalondres

um autoguia para a minha viagem à capital britânica

Não Sou Exposição

Questionamentos sobre imagem corporal, amor próprio, saúde e comida.

A Virgem Boêmia

Entre palavras e cervejas

Mulher Dialética

Jarid Arraes - Psicologia, Feminismo e Direitos Humanos

Dully Pepper24H

Arte pelo Amor, Arte pelo Mundo, Arte pela Paz!

REQUADRO

Just another WordPress.com site

Supernova de Estilos

Um espaço para arte, moda, música, textos e tudo o que for interessante e novo (ou vintage)!

blog da Revista Espaço Acadêmico

Revista Espaço Acadêmico, ISSN 1519-6186 – ANO XIV, Mensal. Conselho Editorial: Ana Patrícia Pires Nalesso, Angelo Priori, Antonio Mendes da Silva Filho, Antonio Ozaí da Silva, Eva Paulino Bueno, Henrique Rattner (in memoriam), João dos Santos Filho, Luiz Alberto Vianna Moniz Bandeira, Raymundo de Lima, Renato Nunes Bittencourt, Ricardo Albuquerque, Rosângela Rosa Praxedes e Walter Praxedes. Editor: Antonio Ozaí da Silva

Comunicação, Subculturas. Tecnologias. Redes Sociais. Música Digital. Sci-fi

Felinne Criações

Bastidores dos trabalhos, projetos, e vida Felinne ;)

Drunkwookieblog

Porque esperar pelo G.R.R Martin não dá

Lembrar ou Esquecer?

Depois de um tempo...

A CASA DE VIDRO

Por Eduardo Carli de Moraes

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 36 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: