Skip to content

Runaways: Joan e Cherie e suas lições sobre o genuíno rock

outubro 6, 2010

Algo muito “glitter” em minha personalidade faz sentir uma enorme atração pelo glam rock, aquelas cores, as plataformas e os cabelos descoloridos ou coloridíssimos… Marc Bolan  passeando no lombo de um tigre  com plataformas imensas e cabelos selvagens.

Iggy Pop o mais punk de todo glam e David Bowie, a lenda:

Houve um época em que eu tinha um certo fanatismo por David Bowie. Em um documentário ele havia dito que queria fazer algo semelhante a Warhol com as artes plásticas. Só que a linguagem de Bowie era diferente, sensual, performática e estranha. Bowie é ele mesmo um personagem, que conseguiu nos fazer viajar entre vários Bowies. E para mim, o alienígena  Ziggy Stardust,  é o melhor.  Dono de uma beleza andrógina, Bowie derrubou barreiras entre o que é considerado feminino e masculino e abriu portas para todo o hard rock farofa ( o que seria do Twisted Sisters e do Motley Crüe se Bowie não tivesse liberado as amarras do vestuário masculino), bandas de metal industrial e bandas indies moderninhas como Placebo.

Portanto, estou muito ansiosa para terminar de ver Runaways, que comecei a ver no sábado mas não terminei. Mais legal do que ver o cenário musical tão rico para o rock como os anos 70, é ver o início da banda aqui citada.  Kristen está excelente no papel de Joan e Dakota Fanning arrasa na interpretação de Cherie. Dakota cresceu e mostra uma personalidade fortíssima, não somente como a personagem Cherie Currie, mas percebo que isso vem dela mesma. Aliás Kristen e Dakota são ótimas escolhas, pela personalidade marcante, beleza e talento.

Percebemos desde o início a atração de Joan por melodias pesadas, quando ela dá uma lição de moral em um professor de guitarra que acha que mulheres não podem tocar guitarras elétricas. Aliás temos total certeza de que Kristen é mesmo Joan, com inclinação para o punk antes mesmo desse nome existir,  quando essa vai à uma loja de roupas rockabilly e quer uma jaqueta de couro cheia de rebites igual a que um homem está usando. Joan é essa mesmo de jaqueta de couro, blusa do Iggy Pop, cabelo pretíssimo e all star. Joan fez com as roupas masculinas o mesmo que Bowie fez com as femininas.  Não se trata apenas de roupa, mas uma postura até mesmo feminista diante do que as garotas podem ou não podem fazer. Ou seja, ela não está nem aí para sua má reputação, relembrando sua sólida carreira com os Blackhearts.

Joan Jett

Kristen

Assim como temos certeza sobre quem é Cherie Currie, porque vemos que seu visual é totalmente glam, que ela usa botas plataforma e lenços no pescoço como seu ídolo David Bowie em “Rebel, Rebel”. Essa é minha música preferida de Bowie e também faz parte da excelente trilha sonora do filme.


Dakota

Cherie


Logo no início, vemos Cherrie pintando o rosto como David Bowie em Aladdin Sane e cortanto seu cabelo parecido.

Logo depois, Cherie sobe no palco para fazer sua dublagem com a performance de Bowie em “Lady Grinning Soul” no show de talentos da sua escola.  Seus colegas, claro, acham uma idiotice e começam a atirar bolinhas de papel. Cherie então, convencida de seu talento e nem um pouco humilhada, faz um sólido gesto com os dedos médios.

Afinal, ela estava certa sobre seu talento, no filme é colocada como uma mistura entre a excentricidade glam de Bowie e a beleza de Brigitte Bardot. Como percebemos no filme, nossa sociedade é um lugar em que a mediocridade é aceita e até incentivada, isso faz com que mulheres bonitas e talentosas sejam seres  estranhos aos olhos dos outros.  Para as mulheres do rock, é preciso lembrar as palavras do AC/DC:  “É um longo caminho até o topo do rock’n’roll”.  Duro e perverso, mas irresitível.  Joan e Cherie nos dão uma lição de  como o rock pode ser juvenil e ingênuo, porém cru e carregado de energia.




Anúncios
8 Comentários leave one →
  1. outubro 6, 2010 7:11 pm

    Oi, Helena!

    Menina, eu quero tanto assistir esse filme, mas acho que a coisa vai demorar. No interior a gente não tem acesso a esses “materiais subversivos”, rsrsrrsrsrs

  2. outubro 11, 2010 6:58 am

    Oi Helena!
    Eu vi esse filme faz um tempinho, tive que fazer o download porque estava demorando muito para sair por aqui.
    Confesso que não conehcia muito sobre The Runaways, mas achei o filme muito bom, deu realmente para ver como era a cena do rock naquela época, muito masculinizada, e que elas conseguiram seu espaço.
    Eu adorei o estilo da Joan e da Cherrie. E também achei que a Kristen e a Dakota ficaram muito bem nos papéis das duas. Só achei que deram destaque apenas pra história das duas, e deixaram as outras garotas de banda meio como figurantes no filme.
    Beijos

  3. outubro 11, 2010 10:39 pm

    Deze e Mme. Mean, eu também tive que ver na versão download porque ainda não chegou no cinema daqui e acho que não chega tão cedo. Eu concordo muito com você Deze, a Lita Ford que fez uma bela carreira solo no hard rock e de longe é bem mais conhecida que a Cherie quase não teve espaço no filme. Pena, porque sou fã dela também. A Joan que produziu o filme poderia ter dado mais espaço para as outras integrantes. Beijo!

  4. outubro 14, 2010 6:51 pm

    O que eu acho legal desse filme é que um monte de gente – especialmente meninas – se interessaram pelo som das Runaways e de outras bandas de garotas dos 70/80.
    É engraçado que eu comentava sobre elas e ninguém se interessava ou já dizia de cara que não curtia rock daquela época, que só curte bandas atuais mais “elaboradas”.

    Agora todas essas pessoas estão tipo “idolatrando” as Ruanways, achando elas o máximo, toda aquela rebeldia que não se vê hoje em garotas do Rock. Chega a ser até engraçada a mundança de opinião, mas melhor do que continuar com a mente fechada.

    O fime estreou aqui semana passada não é?
    E é uma pena a Lita não ter um espaço maior nesse filme, ela é a minha preferida,mas não sei o que rolou. A Lita tem uma história tão grande que acho que ela merece um filme só dela. Ainda mais que ela está na ativa de novo, mais louca do que antes.

  5. Loly permalink
    dezembro 17, 2010 5:15 pm

    Helena, adoro as Runaways e tô doente pra ver esse filme, que não achei ainda. ;_; O ruim é ver o pessoal que tá achando elas as maiores divas só porque viram o filme, principalmente o pessoal do Crepúsculo (detesto esse livro/filme), por causa da Kristen. ¬¬’ Mas isso dá pra relevar! AAUHAUHAUH

  6. dezembro 27, 2010 8:00 pm

    Loly, vi essa semana o filme na locadora que frequento. Já chegou! Mas escolheram as duas justamente por estarem na moda, filme sobre “banda antiga”, os adolescentes não conhecem. Tem que colocar as meninas do Crepúsculo para dar audiência.

  7. gicahh permalink
    janeiro 25, 2011 8:22 pm

    meninas, quem estiver de ver o filme, eu tenho ele em inglês.. add no msn aew e eu passo 😉

  8. janeiro 26, 2011 9:55 am

    Obrigada pela oferta Gicahh! 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Espaços Narrativos

memórias absorvidas por espaços, propagadas por pessoas

jimgoforthhorrorauthor

Horror author. Extreme metal fanatic. Husband. Father.

Não Sou Exposição

Questionamentos sobre imagem corporal, amor próprio, saúde e comida.

vamosparalondres

um autoguia para a minha viagem à capital britânica

A Virgem Boêmia

Entre palavras e cervejas

Dully Pepper24H

Arte pelo Amor, Arte pelo Mundo, Arte pela Paz!

REQUADRO

Just another WordPress.com site

Supernova de Estilos

Um espaço para arte, moda, música, textos e tudo o que for interessante e novo (ou vintage)!

blog da Revista Espaço Acadêmico

Revista Espaço Acadêmico, ISSN 1519-6186 – ANO XVII - Mensal. Conselho Editorial: Ana Patrícia Pires Nalesso, Angelo Priori, Antonio Ozaí da Silva, Carlos Serra, Eliel Machado, Elisa Zwick, Eva Paulino Bueno, Henrique Rattner (in memoriam), Josimar Priori, Luiz Alberto Vianna Moniz Bandeira, Marcelo Gruman, Paulo Cunha, Raymundo de Lima, Renato Nunes Bittencourt, Roberto Barbato Jr., Rogério Cunha de Castro, Rosângela Praxedes e Walter Praxedes. Editor: Antonio Ozaí da Silva

palavrasecoisas.wordpress.com/

Comunicação, Subculturas. Redes Sociais. Música Digital. Sci-fi

Felinne Criações

Bastidores dos trabalhos, projetos, e vida Felinne ;)

Drunkwookieblog

Porque esperar pelo G.R.R Martin não dá

Lembrar ou Esquecer?

Depois de um tempo...

A CASA DE VIDRO.COM

Portal Cultural & Livraria Virtual. Plugando consciências no amplificador! Um projeto de Eduardo Carli de Moraes.

%d blogueiros gostam disto: