Skip to content

Pin-ups do Wave Gotik Treffen

janeiro 19, 2011

Hoje falarei de um assunto que é muito procurado por aqui: pin-ups góticas.  Podemos dizer que o estilo das pin-ups oferece feminilidade ao ar  pesado de acessórios como rebites, coturnos e afins. Os estilos gótico e punk são coerentes com o estilo pin-up?  Sim, o punk na época de Vivienne Westwood e Malcolm McLaren começou com uma loja rockabilly, para depois inspirar-se em elementos fetichistas (esteticamente) e criar o vestuário dos punks, propositalmente rasgado, romântico (elementos vitorianos e referências artísticas), sujo e pensado (marqueteiramente bolado). A loja Sex estava começando.  E como o gótico tem raízes no punk, podemos dizer que o romantismo ficou mais evidente ainda.  As referências pin-up, são claramente fetichistas, sejam pin-ups tradicionais ou modernas. Alguns “trevosos” e “roqueiros de verdade” vão criticar, chamar de “emo”, pessoas que ainda não se habituaram a colocar um pouco de cor no guarda roupa e principalmente as preconceituosas vão achar muito feio.  Por isso é preciso ter segurança ao vestir-se como tal, porque as pessoas ainda acham que rock é vestir só o preto, assim como o gótico e nesse blog tento mostrar que dá para pensar com mais criatividade nessas propostas diferentes, ter a mente mais aberta. E como sou a favor da feminilidade para as mulheres do rock, acho que o estilo funciona muito bem e causa uma boa impressão pela diferença. Em todos os casos, saibam que elementos como piercings e tattoos fazem um contraponto agressivo com o estilo pin-up. Mas não há uma obrigatoriedade do uso de modificações corporais, ainda que as pin-ups modernas sejam quase sempre assim. Para começar vamos dar uma olhada em algumas pin-ups originais e outras modernas, em busca de elementos (referências):

 

 

As originais, Bettie Page (altamente fetichista e gótica) e Marilyn (doce) Monroe:

Notem algumas semelhanças na beleza: sombrancelhas arqueadas e muito bem feitas, cílios delineados e grandes, boca desenhada e batom, cabelos com ondas e feminilidade latente. quando pensamos em pin-ups, pensamos em vestidos. O cabelo loiro platinado e ondulado fizeram Marilyn Monroe conhecida, assim como a franja de Bettie Page. Ícones que servem como inspiração ainda hoje, uma beleza atemporal.

Pin-ups modernas, com suas tattoos, piercings e cabelo inspirado em Bettie Page ( Sabina Kelley, Miss Cherry Poppins e Shelley):

Pin-ups góticas: Katana (em foto pin-up) e Miss Kriss:

O estilo das pin-ups é bastante presente e democrático no estilo gótico. Observe que apesar das diferenças gritantes entre pin-ups tradicionais e modernas, existem elementos que identificam a pin-up. Maquiagem bem feita com delinedor nos olhos, cílios feitos, sombrancelhas feitas e arqueadas, batom vermelho (mais escuro ou mais claro, cabelos bem feitos com franja ao estilo Bettie Page, ondulados ou com pentedos baseados em décadas como as de 1920, 30, 40 ou 50. Unhas vermelhas ou escuras, também bem cuidadas. E há também as pintinhas no rosto, como as de Marilyn, Marlene e Dita. Anteriormente a pinta era cuidadosamente feita no rosto de forma artificial. Dita preferiu tatuar a sua pinta ao invés de fazer duas riscas atrás das pernas como se fossem meias (sua idéia inicial, inspirada na falta de recursos das mulheres na Segunda Guerra: as meias eram muito caras, então elas faziam riscos atrás das pernas para fingir que estavam de meias).

 Essas pintinhas são uma evolução das chamadas “moscas de beleza” que enfeitavam (escondiam imperfeições estéticas ou feridas provocadas pela falta de higiene)  mulheres nobres no período de 1700, como Maria Antonieta. Essas “moscas de beleza” possuíam formatos diferentes para esconder imperfeições e depois evoluíram para as pintinhas. Hoje muitas pin-ups usam no lugar da pintinha um piercing, chamado popularmente de piercing Madonna (houve uma época em que Madonna se inspirava em Marilyn, inclusive na pintinha):

 

 A blogueira Twila Jean e seu piercing:

 

 Piercing, franja e maquiagem característica em pin-up gótica:

 

Preferencialmente, as pin-ups góticas apreciam o preto como cor base para seu estilo. Algumas vezes vemos o preto ou outra cor bem escura junto com alguma cor símbolo das pin-ups, como o rosa e azul claro, mas na maioria das vezes apreciam o vermelho e o preto.  O vermelho é bastante importante para as pin-ups, vemos a cor em sapatos, maquiagem,  acessórios e roupas. Há também as pin-ups góticas que não ligam para estereótipos e acabam por criar um estilo próprio, com muitas cores. Mas o que há em comum em ambas pin-ups, tanto as tradicionais como as com tendência gótica é o uso de determinadas peças que caracterizam as pin-ups: vestidos evasês, saia lápis, corset, estampas de onça e outros bichos, poás, cerejas, âncoras, andorinhas,  cintura marcada em vestidos ou com cintos ( a famosa silhueta ampulheta),  flores na cabeça, pérolas, laços, entre outros. As pin-ups góticas gostam de sapatos boneca ou no estilo demônia, vermelhos ou pretos e também coturnos de vários jeitos, mas às vezes podemos vê-las com sapatos delicados. Frequentemente mesclam o ar sombrio dos cabelos muito escuros e pele clara, tattoos e piercings,  com a delicadeza das pin-ups tradicionais e o fetichismo do gótico.  Não há uma regra específica para a pin-up gótica, a não ser ela identificar-se com o movimento. Podemos ver pin-ups tradicionais, modernas e góticas lado a lado no Wave Gotik Treffen. O que eu considero ser importante para criar seu próprio estilo pin-up é estudar as pin-ups originais do período, vestuário, assistir fimes e ler livros sobre o tema. Na internet há vários blogs nacionais e internacionais que falam sobre as pin-ups e sobre o estilo. Fiz uma seleção de pin-ups mais interessantes que passaram pelo festival, com fotos dos fotógrafos: Elbenblut, Wistine, Sugarmelon, Klingonka, Kirschblüten, Nitram_1972, Danny Sotzny, Fluffy-steve e Elektronautau. Todas as fotos podem ser encontradas nas galerias do WGT no Flickr.

 

As ostensivamente góticas (a segunda nem tanto): casquete, pérolas e poás

Um ousado topete, raspado dos lados (ares psychobilly):

As coloridas, que não ficam somente no preto (note o cabelo da primeira, baseado no famoso corte de Louise Brooks – famosa atriz dos anos 20 – que tornou-se conhecido através do cabelo da personagem Melina na novela Passione):

Trio bem gothabilly, hem?! Adorei o estilo da moça ao centro (esse corset e a saia são tudo):

 

Detalhe do corset atrás (e a maravilhosa tattoo):

Penteado ao estilo dos anos 40:

Flores nos cabelos:

 

 

Estampa de onça:

As tradicionais:

As que buscam inspiração nos uniformes das mulheres na Segunda Guerra Mundial:

Essa foto é a única que não é do Wave Gotik Treffen, é do Castle Party (por Klingonka) no Flickr. Estava perdida no meu computador, eu gosto muito da foto, essa pin-up gótica tem um quê de cybergoth também. Atenção para a fita de cetim no coturno, que detalhe lindo:

As que adotam apenas poucos elementos do estilo:

Amo as pin-ups! 

14 Comentários leave one →
  1. janeiro 19, 2011 12:15 pm

    Adorei, Helena. Eu sou uma fã inveterada do ladylike e a possibilidade de combinar influências mais “pesadas” com coisinhas femininas é a base do meu guarda-roupas, rsrsrsrsrss.

    • janeiro 20, 2011 10:58 am

      Mme. Mean, noto que gosta do ladylike em seus posts no Sombria Elegância (sempre muito bons). Confesso que sou assim como você, misturo coisas pesadas com coisas femininas. Torço pela volta do glamour!

  2. janeiro 20, 2011 6:08 am

    Adoro as pin-ups, e cada vez que visito seu blog, amo mais ainda hehe.
    Tudo começou com aquele post sobre a Maria Brink, e esse novo post também está demais.
    Ainda não consegui incorporar pin-ups ao meu estilo, mas eu ainda quero fazer isso hehe.
    Mas sempre achei meio complicado fazer isso sem ter tattoos ou piercings, porque eu não tenho nenhuma ainda, depois do seu post dá pra ver que isso não precisa ser uma prioridade hehe

    Beijos

  3. janeiro 20, 2011 10:52 am

    Deze, que bom que você gostou do post, fico muito feliz. Tento escrever sobre as pin-ups do mundo gótico e metal, geralmente associam o estilo ao indie ou hardcore, mas pin-ups góticas e metaleiras existem, só não existe posts na internet sobre o assunto (nem estrangeiros, procuro muito). O lance é observar fotos, ver o que combina com você, começar a incorporar o estilo aos poucos, com algumas peças simples, cabelo e maquiagem. Não são só as tattoos que identificam o estilo, mesmo porque as pin-ups originais não eram tatuadas. Não se limite por causa disso! Pela foto do seu perfil dá para ver que você tem um rosto bem delicado, ia ficar lindona de pin-up gótica.🙂 Beijos!

  4. fevereiro 10, 2011 2:50 pm

    Adorei a postagem!
    E digo pra Deze que não tem nada a ver não ter tattoos ou piercings. Pin up é um estilo da moda dos anos 40/50. A inclusão de modificação corporal veio décadas depois.

    O estilo das Pin ups é a moda da década de 40 e 50. Era moda dominante ter aquele look.
    A subcultura que nasceu com as Pin ups é o Rockabilly, porque o Rock nasceu nos anos 50. As Pin ups específicamente eram atrizes, modelos que seriam as “garotas da playboy de hoje”, garotas em fotos S&M, sexies e semi ou nuas.

    Recentemente os góticos descobriram o estilo (de 2000 pra cá mais especificamente) e as garotas do Rock aos poucos incorporam elementos cinquentinhas nos looks, pois hoje já se sabe que ser rockeira não é mais ser menina-macho. Ainda bem!

    E como a moda alternativa gringa se adapta aos desejos do público, as marcas começaram a criar peças inspiradas nas décadas de 40 e 50 só que em estilo dark. Mas a grande graça da subcultura gótica é misturar estilo próprio + pin up + goth + deathrock + outra coisa que gostam, criando looks super originais!

    Ainda estou pra postar sobre a moda dos anos 50 no blog. Quando eu falar das subculturas vou citar essa sua postagem😉

    Bjinhos!

    • fevereiro 11, 2011 10:29 am

      Obrigada pelo comentário Sana, bem sucinto e explicativo.🙂 É isso mesmo! Vou adorar ler sobre a moda dos anos 50 em seu blog, se você citar minha postagem vou ficar muito feliz, deu um trabalhão. Beijos!

      • fevereiro 11, 2011 2:35 pm

        Sim, eu estav sumida, mas agora apareci hahaha!!
        Imagino!! Eu mesma não concluí ainda minha postagem dos anos 50 porque tem muita informação e tem que estar disposta, pra não deixar passar nada importante.

        O que eu adorei aqui foram as dicas que você deu de uso das peças, acessórios, características estéticas (cabelo, make), coisa que não costumo fazer no blog, então acabaria complementando, porque ficou muito boa sua pesquisa! parabéns!

  5. Dark vision permalink
    janeiro 1, 2012 12:22 am

    Gostei muito dok foi publikado sou gothica dark wave e tinha curiozidade sobre o assuntw

    • janeiro 6, 2012 10:02 am

      Vou providenciar mais postagens sobre pin-ups góticas. Que bom que achou interessante!

  6. janeiro 29, 2012 9:57 pm

    Olá Helena! Meu nome é Jorge. Adoro seu site. Já o tinha em meus favoritos e sempre o visitava em busca de novas informações. Em outra ocasião uma postagem sua sobre o museu H R Giger foi fonte de inspiração para uma postagem minha e agora achei este sobre pin-ups góticas e achei muito interessante, admito que sabia pouco sobre o assunto por isso resolvi ler mais sobre ele e gostei tanto que decidi fazer uma postagem sobre o tema em meu blog.

    (é claro que o meu conhecimento sobre o assunto não se compara ao seu e provavelmente eu tenha deixado algo passar despercebido).

    Para ser justo fiz as devidas referências ao seu site, ele é realmente muito bom e espero que tenha cada vez mais sucesso com ele gata.

    • janeiro 31, 2012 5:27 pm

      Olá Jorge, que bom que gosta do meu blog, fico feliz. Eu adoro essa minha postagem sobre o Giger, aliás, apesar de não muito frequentadas, eu adoro no geral as postagens sobre arte. Que bom que gostou do tema das pin-ups góticas, elas são pouco abordadas, para mim são as mais bonitas. Olha, obrigada pelo elogio, mas cada um tem um jeito de abordar os assuntos e quem ganha com isso são os leitores. Se quiser abordar o assunto das pin-ups em seu blog sinta-se à vontade. Não há problema em falar de assuntos abordados aqui como no caso da postagem do Giger, é só fazer as referẽncias do meu blog. E obrigada pelo elogio ao blog, também desejo muito sucesso com o seu, que também é bom.🙂

      • janeiro 31, 2012 10:33 pm

        Claro! sempre farei as devidas referências ao seu blog e tem razão o assunto pin-ups góticas é pouco abordado.

  7. julho 19, 2012 10:29 pm

    Oi Helena! Não sou um profundo conhecedor desses assuntos mas me sinto atraído por essa cultura e todas essas coisas que vc citou. Parabéns pela forma que vc abordou esses assuntos e parabéns por ser linda.
    Fica aqui registrado meus elogios a vc e a seu Blog.
    Um bjo

  8. julho 21, 2012 12:20 am

    Obrigada pelos elogios George!🙂 Beijos!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Espaços Narrativos

memórias absorvidas por espaços, propagadas por pessoas

jimgoforthhorrorauthor

Horror author. Extreme metal fanatic. Husband. Father.

Não Sou Exposição

Questionamentos sobre imagem corporal, amor próprio, saúde e comida.

vamosparalondres

um autoguia para a minha viagem à capital britânica

A Virgem Boêmia

Entre palavras e cervejas

Dully Pepper24H

Arte pelo Amor, Arte pelo Mundo, Arte pela Paz!

REQUADRO

Just another WordPress.com site

Supernova de Estilos

Um espaço para arte, moda, música, textos e tudo o que for interessante e novo (ou vintage)!

blog da Revista Espaço Acadêmico

Revista Espaço Acadêmico, ISSN 1519-6186 – ANO XVI - Mensal. Conselho Editorial: Ana Patrícia Pires Nalesso, Angelo Priori, Antonio Mendes da Silva Filho, Antonio Ozaí da Silva, Eva Paulino Bueno, Henrique Rattner (in memoriam), João dos Santos Filho, Luiz Alberto Vianna Moniz Bandeira, Raymundo de Lima, Renato Nunes Bittencourt, Ricardo Albuquerque, Rosângela Rosa Praxedes e Walter Praxedes. Editor: Antonio Ozaí da Silva

palavrasecoisas.wordpress.com/

Comunicação, Subculturas. Redes Sociais. Música Digital. Sci-fi

Felinne Criações

Bastidores dos trabalhos, projetos, e vida Felinne ;)

Drunkwookieblog

Porque esperar pelo G.R.R Martin não dá

Lembrar ou Esquecer?

Depois de um tempo...

A CASA DE VIDRO.COM

Portal Cultural & Livraria Virtual. Plugando consciências no amplificador! Um projeto de Eduardo Carli de Moraes.

%d blogueiros gostam disto: