Skip to content

Game of Thrones e as crenças Celtas

abril 22, 2013

Tudo que diz respeito ao período medieval sempre me atraiu, a arte, a ciência, as superstições, as relações sociais e várias outras coisas. Pessoalmente no campo de estudo das artes tenho uma queda pelo período e acabo sempre voltando à ele. O pessoal do meu trabalho não sabe muitas coisas sobre meus gostos pessoais, então quando uma colega de trabalho comentou a série “Game of Thrones” comigo, falou que tinha muito sangue mas o enredo era bem construído. Mas ela não sabia que eu gostava do período medieval e de mitologia celta. Demorei um pouco a me render à série, porém chegou o dia. Enfim, assisti e adorei, não só pela fotografia e figurino que são muito bons, mas pelo pelo enredo e a maneira como utilizam costumes celtas e as crenças ainda arraigadas nesse período histórico. Os jogos de poder também me atraem, assim como as lutas. Eu não tive a oportunidade de ler “As Crônicas de Gelo e Fogo” de George R. R. Martin, mas pretendo mudar isso em breve.

Desde o início o que mais me chamou atenção foi a maneira como os costumes e crenças celtas foram utilizados na série, o que é uma abordagem pouco usual em séries e filmes do período medieval. Na maioria das vezes esse passado celta é abordado de maneira superficial ou nem é aproveitado.  É perceptível para quem estuda História e conhece por exemplo o “Regimento Proveitoso contra a Pestilência” (Portugal, 1496), escritos do período medieval que ensinavam as pessoas a defender-se da peste. Esse Regimento misturava medicina e ciência, mas também superstições diversas baseadas na tradição árabe. Isso era fruto ainda das crenças dos povos antigos, a Europa demorou a aceitar o cristianismo como sua religião, quando finalmente aceitou, suas antigas crenças tinham espaço em sua nova religião. Na série são citados diversas vezes os antigos e os novos deuses, sem aprofundar no entanto qual seriam esses deuses.

Para os celtas e druidas o voo das aves era considerado uma adivinhação de futuros possíveis e eram vistos como alegorias da alma humana. Os corvos eram escutados como como sendo vozes que expressavam acontecimentos que iriam dar. O garoto Bran Stark, tem um sonho recorrente com um corvo de três olhos. Os três olhos significam três tipos de visões simultâneas: um olho vê o passado, outro o presente e o outro o futuro.

bran-stark

Crow

Nas histórias contadas no País de Gales, as aves da deusa Rhiannon embalavam os enfermos para que dormissem.  Os corvos também eram presságio de morte iminente, porque são animais que se alimentam de cadáveres.

Havia também a crença de que os humanos poderiam se transformar, mudar de forma. Jaqen H’ghar, era um dos presos encontrados em Porto real logo após a execução de Eddard Stark.  Arya Stark salvou Jaqen e dois de seus companheiros de prisão de um incêndio.

Jaqen

Em Harrenhal, Jaqen encontrou Arya novamente e disse que ela poderia escolher três pessoas para ele matar, pois ela o salvou  junto com seus colegas de cela.  Então havia uma dívida de  três mortes para o Deus Vermelho. Posteriormente, Jaqen diz que Arya poderia precisar novamente de sua ajuda, oferece uma moeda a ela e diz que poderá dá-la a qualquer homem de Braavos, dizendo as palavras “Valar Morghulis”. Depois disso, ele diz a Arya que Jaqen H’ghar deve morrer, passa as mãos sobre seu rosto e se transforma em um homem com semblante diferente.

Arya-Stark-Jaqen-H-ghar-jaqen-hghar-31097833-500-281

VM

Para os celtas não há fronteira impenetrável entre o mundo humano e animal. Pessoas também poderiam ser transformadas em animais. Os mitos irlandeses e do País de Gales, contam histórias de pessoas transformadas em bichos ou animais que repartem a sabedoria com seres humanos. A mudança de forma e a magia afetam a bravura e a valentia nas histórias narradas. Na série há vários exemplos de wargs, pessoas que deixam seu próprio corpo e entram em outros corpos, de animais. Mas nas antigas crenças, esses corpos poderiam ser corpos humanos também. Bran Stark tem essa habilidade, ainda está aprendendo a lidar com ela.

Stark

Os povos celtas compartilham a opinião de que a realidade se divide em vários extratos, o mundo vulgar e uma outra realidade onde existem outros seres que podem facilmente penetrar na vida cotidiana. A possibilidade de se atravessar o mundo vulgar para outro mundo é uma realidade que se encontra nos mitos do País de Gales e Irlanda. Nesses mitos, como sucede as histórias de caça, as criaturas e os deuses se movem livremente do outro mundo para esse mundo. O outro lado pode ser o local onde os mortos vivem bem e onde os guerreiros continuam a lutar ou pode ser um lugar escuro, sombrio e perigoso, especialmente para um humano que o visite antes de morrer. Não é a toa que o lema da casa Stark é “O inverno está chegando”. Em breve todas a casas terão que se preocupar muito mais em estarem vivos que com guerras por traições ou interesse.

Game-of-Thrones-White-Walkers-Wight

Caminhantes brancos segundo Stannis Baratheon: “Demônios feitos de neve, gelo e frio (…) O antigo inimigo. O único inimigo que importa”.

6 Comentários leave one →
  1. Anonimous permalink
    setembro 29, 2014 1:08 am

    Gostei do seu texto,muito legal!

  2. fevereiro 12, 2015 2:48 am

    Recomendo o livro de Carlo Ginzburg, Os Andarilhos do bem (i benandanti), uma pesquisa sobre bruxaria e magia no norte da Itália dos séculos XV e XVI, fruto de uma pesquisa que teve como fontes principais processos inquisitoriais. Os benandanti e os malandanti eram duas partes de uma mesma lógica, e ali estão presentes crenças antigas, como a transformação de pessoas em animais, como ratos, por exemplo, e a ação de outras criaturas mitológicas, como lobisomens.

    • abril 4, 2016 3:29 pm

      Nossa, mais de um ano que escreveu. Desculpe responder, vi somente hoje. Irei procurar, obrigada!🙂

  3. Marcus Vinicius permalink
    março 18, 2016 8:42 pm

    Mandou mto bem !!!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Espaços Narrativos

memórias absorvidas por espaços, propagadas por pessoas

jimgoforthhorrorauthor

Horror author. Extreme metal fanatic. Husband. Father.

Não Sou Exposição

Questionamentos sobre imagem corporal, amor próprio, saúde e comida.

vamosparalondres

um autoguia para a minha viagem à capital britânica

A Virgem Boêmia

Entre palavras e cervejas

Dully Pepper24H

Arte pelo Amor, Arte pelo Mundo, Arte pela Paz!

REQUADRO

Just another WordPress.com site

Supernova de Estilos

Um espaço para arte, moda, música, textos e tudo o que for interessante e novo (ou vintage)!

blog da Revista Espaço Acadêmico

Revista Espaço Acadêmico, ISSN 1519-6186 – ANO XVI - Mensal. Conselho Editorial: Ana Patrícia Pires Nalesso, Angelo Priori, Antonio Mendes da Silva Filho, Antonio Ozaí da Silva, Eva Paulino Bueno, Henrique Rattner (in memoriam), João dos Santos Filho, Luiz Alberto Vianna Moniz Bandeira, Raymundo de Lima, Renato Nunes Bittencourt, Ricardo Albuquerque, Rosângela Rosa Praxedes e Walter Praxedes. Editor: Antonio Ozaí da Silva

palavrasecoisas.wordpress.com/

Comunicação, Subculturas. Redes Sociais. Música Digital. Sci-fi

Felinne Criações

Bastidores dos trabalhos, projetos, e vida Felinne ;)

Drunkwookieblog

Porque esperar pelo G.R.R Martin não dá

Lembrar ou Esquecer?

Depois de um tempo...

A CASA DE VIDRO.COM

Portal Cultural & Livraria Virtual. Plugando consciências no amplificador! Um projeto de Eduardo Carli de Moraes.

%d blogueiros gostam disto: